Accessibility informationSkip to the main content

Operações eficientes

Operações eficientes

Operar aviões eficientes em termos de combustível e modernos tem sido fundamental para o modelo de negócios da Emirates desde o lançamento da companhia aérea. Operamos uma das frotas mais jovens de aviões de grande porte, com uma média de 6,5 anos. Este investimento contínuo de milhares de milhões de dólares é o maior compromisso da Emirates, não apenas para o conforto dos passageiros, mas também para reduzir o nosso impacto ambiental.

A Emirates dispõe de um abrangente programa de eficiência em termos de combustível que pesquisa e implementa ativamente novas formas de reduzir o consumo de combustível e emissões, sempre que seja viável em termos operacionais.

Algumas das iniciativas mais importantes do programa incluem:

  • A operação de “flex tracks” ou rotas flexíveis - em que estabelecemos parcerias com prestadores de serviços de navegação aérea para criar planos de voos mais eficientes para cada voo, aproveitando os ventos favoráveis, evitando ventos contrários e sistemas climatéricos. Estes esforços estão em curso desde 2003 e também trabalhamos de perto com a IATA para alargar o nosso sistema de rotas a todo o mundo como procedimento de operação standard, sempre que possível.
  • Trabalhamos com prestadores de serviços de gestão de tráfego  aéreo para desenvolver protocolos que melhoram a eficiência operacional. Por exemplo, reduzindo o número de voos em circuitos de espera, aumentando a disponibilidade de espaço aéreo de rota livre e desenvolvendo rotas mais eficientes.
  • Apresentámos um sistema de monitorização de combustível robusto e análise de dados avançada que resultou na redução do consumo de combustível por parte de tripulantes e expedidores
  • Introdução de práticas eficientes em termos de combustível enquanto o avião está em terra, tais como: utilização de unidades de energia em terra em vez da Unidade Auxiliar de Produção de Energia (APU), e desligar um ou dois motores durante a deslocação na pista após a aterragem.
  • Implementação de sentido de inversão da impulsão na aterragem, em vez de ligar os motores para a impulsão inversa.
  • As melhorias na eficiência de carga para corresponder à linha ideal resulta numa posição mais à ré do centro de gravidade (CG) e menos combustível consumido.
  • Gestão de peso do avião – a Emirates analisa constantemente os seus produtos a bordo e o ambiente de cabina para reduzir o peso do avião (e, desta forma, consumir menos combustível) sem comprometer a experiência do passageiro. As iniciativas recentes incluem a utilização de análise de dados e, futuramente, numa máquina de aprendizagem (ML) e inteligência artificial (AI) para melhorar a previsão de consumo de água potável em cada voo.
  • Ao passar a nossa tripulação de cockpit para malas de voo eletrónicas, que poupam peso em relação às malas de voo tradicionais, também ajuda os nossos pilotos a desempenhar tarefas de gestão de voo de forma mais simples e eficiente, com menos papéis.
  • Aviões com manutenção adequada também contribuem para operações mais eficientes. A Emirates utiliza uma inovadora técnica de lavagem com espuma para limpar os motores dos aviões, que nos ajuda a reduzir em cerca de 200 toneladas de emissões de dióxido de carbono por ano em toda a nossa frota. Também utilizamos uma técnica de lavagem a seco(Abre numa nova janela) para limpar os nossos aviões. Este método não só poupa 11 milhões de litros de água anualmente, como também mantém os aviões limpos por mais tempo. Reduz o consumo de combustível por parte dos aviões devido à menor acumulação de sujidades, e reduz o número de vezes que o avião é lavado, para cerca de três vezes por ano. A Emirates investiu também em sistemas de energia solar para gerar eletricidade limpa em duas das maiores instalações da companhia aérea nos Emirados Árabes Unidos: o Centro de Manutenção de Motores da Emirates e a Emirates Flight Catering (Abre numa nova janela). Estima-se que estas duas instalações reduzam as emissões de dióxido de carbono em até 3,8 milhões de quilogramas anualmente.